Vida Cristã

Não me arrisco ao afirmar que, muito provavelmente, essa seja uma das fases de maior descoberta que já passei até aqui. É engraçado olhar para si mesmo e conhecer os seus limites, saber as coisas que alimentam o seu coração e prever o modo que você poderá reagir diante de grande parte das situações na sua vida. De fato, o Senhor nos conhece muito mais que nós mesmos, afinal, Ele mesmo nos formou com suas próprias mãos. De fato, aproximar-se do Senhor é uma jornada de conhecimento de Deus e de nós mesmos. De fato! Estou vivendo essas coisas.

De Ti, para Ti.

A jornada em direção à maturidade te ajuda a compreender quem você é abandonando as suas lentes de entendimento e aderindo às Dele, mas é importante perceber que não é uma jornada que você enfrenta para benefício próprio. O sofrimento, o crescimento e até mesmo as suas alegrias não são para sua própria satisfação, mas para Ele (e, consequentemente aos outros). Se os meus processos de desconstrução não transformarem meu relacionamento com as pessoas e a maneira que eu me dedico à elas, eles são inúteis.

A provação que gera maturidade é aquela que cura quem você é para que você libere cura sobre as pessoas. Não é um jogo de sofrimento ou um estado de permanente tristeza. Não somos mais espirituais que aqueles que não tem o hábito “consertar suas fraquezas” como temos.

Olho hoje para a igreja de Jesus e percebo um movimento que está encaminhando os filhos amigos do Papai para constantes processos de poda e desconstrução (mesmo aqueles que não estão ligados aos movimentos na internet, caso você pense que isso é muito orgânico). Estamos arrancando as ervas daninhas dos nossos corações e aprendendo a preencher todas as lacunas com o perfeito amor e devoção dedicados à Cristo, e tem sido verdadeiramente incrível fazer parte disso tudo. Mas é preciso muito cuidado.

Não fomos criados para viver nos vales de ossos secos, mas para passar por eles e sairmos vitoriosos.

Quando me refiro aos vales de ossos secos, me refiro às nossas próprias tristezas e frustrações. Às nossas noites escuras da alma e às nossas lágrimas. Tenho aprendido a importância de vencer os momentos difíceis e tomar as bandeiras de cada uma das fases difíceis que fui submetida com grande júbilo e carregando em mim a convicção de que não precisarei mais passar pelas coisas que me encaminharam aos meus momentos de dor. E por que? Porque é necessário aprender. E aprender algo novo, implica mudança de pensamento e comportamento. Você não conhece algo novo e continua o mesmo: a novidade sempre muda algo em você.

É hora de deixar o Agricultor colher os bons frutos da Sua vinha. E que as nossas dores produzam um aroma agradável aos que se alimentarem de cada uma das situações que fomos submetidos. Quanto a nós? Alegria! Somos profundamente desejados pelo Senhor da videira. Permaneçamos conectados a ela, dependendo do Seu amor e infinita bondade.

Ele é digno de cada um dos nossos sofrimentos e alegrias.

10 de outubro de 2017 12 comentários
469 Facebook Twitter Google + Pinterest

E tudo bem.

Quem disse que o crescimento é uma linha constante em direção ao alto? Não somos máquinas, somos pessoas. Máquinas seguem métricas e produzem resultados constantes porque foram programadas para funcionarem sem falhas. Em que momento da história deixamos nossa humanidade de lado para aderirmos às listas do buzzfeed de “7 passos para você ser mais feliz” ou “5 coisas que você precisa fazer para ser mais organizado”?

Nós falhamos.

Entenda isso! As sociedade nos diz que se não tivermos sucesso em tudo o que fizermos não seremos aceitos, mas essa não é a matemática do Reino. Vejo milhares de pessoas (e eu me incluo nessa estatística) que se culpam por falharem no caminho do crescimento. Arraigados nos nossos sentimentos, se funcionarmos bem em um dia e no dia seguinte não possuirmos a mesma performance do dia anterior, somos frustrados.

Quem inventou que você precisa ter alta performance? Quem disse que na superação da dor você não pode ter recaídas? Onde está escrito que o único jeito de alcançar a felicidade é uma sequência de dias vitoriosos? Eu não compreendo.

Não me importo se você me disser que minha linha de pensamento é perdedora e conformista, Deus me ensinou o quanto posso aprender com meus erros e eu decidi, simplesmente, abraçar o processo. Não nasci para ignorar meus sentimentos e simplesmente decidir dar certo porque esse é o único jeito de alcançar a felicidade. Encontrei a felicidade na dor. Descobri o quão forte sou quando supero a cada um dos meus piores dias. Descubro uma nova versão de mim vitoriosa quando simplesmente decido colocar tênis e roupa confortável pra caminhas à luz do dia.

Papai está comigo, está em mim. Sei que cada uma das minhas lágrimas regam o jardim florido do meu coração e Ele não me criou para me encaixar nos “3 passos para encontrar a felicidade” que alguém um dia escreveu. De modo pessoal, Ele me ensinou o que é ser feliz. De modo único e especial, Papai tem me mostrado como eu só preciso Dele para superar cada uma das minhas fraquezas. Relacionar-me com Ele e com suas verdades escritas tem revelado quem sou e a cada dia descubro que não é nada sobre mim. É sobre Ele.

A vida com Deus não é uma linha constante, feliz e divertida em direção ao alto.

Você vai cair, e essas não são palavras de maldição. Sim, você é santo. Sim, Deus o ama apesar do seu pecado. Sim, você é uma nova criatura. Mas alguns dias simplesmente não são melhores que outros e são esses dias que revelarão a você o quão dependente você é Dele. Nesses dias, você caminhará em direção ao amor maduro. Nesses dias você aprenderá a esquecer que não são os seus esforços que te tornarão um filho forte e nutrido, mas Cristo em você.

Quando você olhar para os seus olhos inchados, entenda: Ele está fazendo algo. Deus não se cansa.

28 de setembro de 2017 43 comentários
572 Facebook Twitter Google + Pinterest

Nada começa a doer sem motivo, assim como o pecado. É claro que não estou falando de dor física, todo aquele que já chutou a quina de algum lugar há de concordar comigo. Mas você não “peca do nada”, pelo contrário. Você alimenta o pecado com pensamentos, o permite crescer em seu coração até que ele, então, aconteça. O perigo que existe em manter-se ignorante acerca do que acontece no seu coração, assim como o pecado, pode doer bastante lá na frente. Sim, a bíblia nos apresenta dois modos de aprender: com os erros dos outros, ou passando por eles.

Vou permitir que você aprenda ouvindo os meus erros.

Desde o meu nascimento eu precisei passar por eles, os erros. Para aprender que o fogo queima, ao invés de escutar minha mãe precisei tocar nele (e doeu bastante). Hoje entendo que meter qualquer parte do seu corpo em qualquer tipo de chama não é bom. Mas, o maior erro que eu já cometi foi permanecer ignorante sobre o que o meu coração estava realmente sentindo. Estou sendo vulnerável com você e expondo que estou passando por um dos momentos mais complicados da minha caminhada com Deus até então.

Foram anos “fingindo que estava tudo bem”. Foram meses tentando convencer a mim e às pessoas que estava tudo maravilhoso. Foram inúmeras idas ao lugar secreto, depois de passar por uma leve crise, para dizer ao Papai “obrigada por ter me curado disso” sem sequer conversar com Ele sobre esse “isso”.

Passei muito tempo da minha vida varrendo a casa e colocando a poeira debaixo do tapete ao invés de pegá-la com uma pá e leva-la para fora. Tantas foram as vezes que fiz isso que o volume de sujeira formou uma elevação no meio da sala até que, num dia “simplesmente curado”, tropecei no volume.

Por não olhar para dentro, não entendi como as minhas emoções funcionavam. Por ignorar o modo com o qual elas funcionavam, não soube usar as estratégias capazes de impedi-las de tomar conta do meu ser. Não tornei minhas emoções cativas, não as disciplinei com a Palavra da vida. Caminhei como uma pessoa completamente curada quando, na verdade, sequer permiti que Papai me curasse de verdade.

 

The one who’s torn me apart.

Minha alma começou a ficar abatida, e esse foi o primeiro sinal. Estava tudo indo muito, muito bem! Mas não conseguia entender porque as pessoas olhavam para mim e tornavam a perguntar repetidamente “está tudo realmente bem?”. Será que estava tudo realmente bem? Perguntei ao Senhor o que levou minha alma a ficar abatida e encontrei uma “possibilidade”. Apresentei a Ele essa “possibilidade” e, foi aí, que Ele levantou o tapete e mostrou todas as dores escondidas. Apresentei ao Papai um broto do meu jardim, Ele o puxou, e sua raíz era muito, muito profunda.

Analisando a dor, anatomicamente falando, ela produziu em mim vergonha.

Como isso cresceu tanto? Por que ainda está aqui? Como não pude enxergar uma coisa dessas antes? Eu só sabia chorar. Deparei-me com uma face escondida em mim que mostrava quem eu realmente era e ela não produziu em mim regozijo algum. Eu só sabia chegar aos pés do Papai e chorar. Aquilo doeu! Foram dias difíceis. Enquanto não me julguei completamente livre do peso da dor, não hesitei em apartá-lo de mim.

Se estava doendo, então eu deixaria doer. Se estava latente, permitiria latejar.

Mas houve um dia em que me acheguei diante do Senhor para, mais uma vez, pedir desculpas pelo acontecido. Acheguei-me, mais uma vez, coberta de vergonha e de reconhecimento das minhas limitações para desculpar-me ao Papai por ter sido tão inconsequente, até que experimentei algo novo: a alegria do perdão. O regozijo em descobrir que não há pelo que desculpar-se, pois o Amor pagou pela multidão de erros.

Experimentar o perdão mudou tudo. Tem mudado tudo.

Descobri que a cura não acontece como em um passe de mágica, mas que ela é um processo. Quando nos submetemos a esse processo observando as mãos do Criador trabalhando para que uma versão forte e surpreendente de nós mesmos seja revelada, entendemos que Ele está sempre fazendo algo novo. Descobri que ser Filha não é colecionar, somente, momentos caminhando por bosques floridos de mãos dadas com o Papai, mas caminhar pelo vale da sombra da morte ancorada pelas mãos do Senhor. Percebi como os vales nos equipam para seguirmos a jornada mais fortes. Entendi que Papai, mesmo nos momentos de dor, sente prazer em nós.

Though you slay me
Yet I will praise you
Though you take from me
I will bless your name
Though you ruin me
Still I will worship
Sing a song to the one who’s all I need

Though tonight I’m crying out
Let this cup pass from me now
You’re still all that I need
You’re enough for me

 

25 de setembro de 2017 24 comentários
433 Facebook Twitter Google + Pinterest

Por mais que as muitas lutas pelas quais passamos sejam grandes motivos para que larguemos as coisas todas para o alto, não nos renderemos. Ainda que as lágrimas que escorrem através dos nossos olhos nos alimentem na escura noite, não nos afastaremos da esperança que habita em Ti.

Colecionamos ilusões e desilusões. Nossas estantes de vidro estão repletas de troféus imaginários das batalhas que nunca vencemos. Não possuímos medalhas ou reconhecimento. Não somos conhecidos pelas coisas boas que fazemos e, ainda por cima, somos difamados.

Os olhares reprovadores nos seguem por onde andamos e, a sensibilidade do Espírito que habita em nós denuncia as intenções erradas de todos aqueles que apontam seus canhões de pedras para o alvo móvel e aparentemente frágil que costumamos ser. Ainda que a injustiça e a dor nos invadam de modo amedrontador, nós resistiremos pois Tu és o sol da justiça. Não precisamos nos defender, pois Tu, Senhor, és a fortaleza viva. És advogado, és justiça.

Ainda que sejamos afogados pelas nossas próprias incapacidades, medos e inseguranças a Tua mão de poder nos traz à superfície. Ainda que a fé que julgamos ter não seja sequer um terço da que possuímos, não desistiremos. Ainda que olhemos para as nossas próprias mãos sujas, ao invés de fixarmos nossos olhares na demonstração de amor escandalosa da cruz, podemos ouvir o som da Sua voz para nos lembrarmos o motivo que nos trouxe até aqui.

Olhamos para todos os lados, somos frustrados pelas muitas miragens, mas não nos cansamos de dizer que Tu és bom. Nossos lábios, ainda que secos, insistirão em declarar que a Tua misericórdia se renova todas as manhãs.

“Onde está o teu Deus?”

Eles nos dizem, e nós respondemos: dentro. Deus está dentro. O Criador, o Consolador, o Mestre.

Tu fazes a alma viver, e não há nada que possa fazer-nos esquecer que Tu és amor. Carregamos um selo e um destino. Ainda que os nossos olhos não vejam, nossas histórias são cartas de amor escritas pelas Tuas mãos e prontas para serem lidas a todos aqueles que têm fome e sede. A todos aqueles que não sabem onde a fonte da saciedade reside. Nós os apresentaremos a Tua graça, porque fostes grandioso em graça e bondade conosco, Senhor.

Ainda que nossos companheiros desistam da jornada, nós não, Senhor.

A Tua mensagem será em nós. O teu amor por nós. Nossas vidas, pela Tua.

31 de agosto de 2017 17 comentários
429 Facebook Twitter Google + Pinterest

Nada se compara ao valor que existe em saber quem você é para o Criador. O mundo inteiro pode gritar de mil diferentes vozes coisas ao seu respeito, mas a verdade é que ninguém o conhece como o Senhor. Pode parece um assunto constantemente tratado por todos, mas só a revelação do modo como Ele o enxerga é capaz de transformar palavras vãs em verdades no seu coração. Informação e revelação possuem pesos muito distintos.

Quando você estiver cercado de pessoas com suas diferentes visões sobre a vida (e sobre você mesmo), saber quem Deus pensa que você é e conhecer parte dos grandes planos escritos por Ele sobre você pode ser a sua salvação.

O mundo é um caos, sim.

Um caos visível e assustador. Mas ele só ganha grandes proporções dentro de você, e você é responsável pelas coisas que permite que atinjam seus sentimentos. Isso é pesado, mas um encontro com essa verdade só acontece para que você não se permita ficar onde está e seja movido ao lugar de encontro com o coração do Pai.

Todo mundo carrega um caos dentro de si, e quem diz que é mentira está mentindo.

Coleciono crises, lágrimas e risos. Tenho lá meus muitos medos e inseguranças sobre quem sou, quem serei e quem seria se fizesse determinadas coisas, mas essas tempestades sempre são acalmadas pelas palavras do Eu Sou. Aprendi a reconhecer, mesmo no meio da tempestade, o som do Seu coração e isso me levou a escrever a você todas essas coisas. Minhas constantes desconstruções sobre quem Deus é e, também, sobre quem sou me trouxeram até aqui hoje pra te dizer que Ele ama usar pessoas quebradas e inadequadas.

Sei que quando o Senhos coloca Seus olhos sobre mim, sorri. Sei que as coisas que faço produzem regozijo no Seu coração. Sinto-me profundamente amada e desejada pelo Criador do mundo e isso me é suficiente.

Ainda que, vez ou outra, minha consciência deturpada tente me contar uma mentira ou outra, insisto em guardar as palavras de verdade dentro do meu coração.

Você não é quem pensa que é, não é quem os outros pensam que é. Não é o que as circunstâncias dizem que é, muito menos ideias abstratas e sem fundamento. Identidade não é personalidade, mas o que o Senhor pensa ao seu respeito e, ainda que quebrado, o modo que Ele deseja usar você no Seu plano maior.

Apesar de você.

25 de agosto de 2017 18 comentários
327 Facebook Twitter Google + Pinterest

Pensar que os olhos do Senhor estavam sobre mim quando eu ainda era uma substância sem forma me constrange muito. Não existe ninguém no mundo, e você pode investigar, que conheça você tão bem quanto Ele conhece. Tento imaginar o dia em que os Seus olhos estavam sobre mim quando estava no ventre daquela que Ele escolheu pra que eu pudesse chamar de mãe e não consigo conter as lágrimas.

O Senhor pensou em tudo. No dia, na hora, nas mãos do médico, na família, na geração.

Posso eu duvidar que absolutamente todas as coisas estão debaixo do Seu controle? Uma coisa dessas é impensável. E quando me dou conta de que os Seus olhos estão sobre mim nesse exato momento, tenho outro encontro exuberante com o Seu amor incompreensível. Fecho os meus olhos e a única coisa que sei fazer é sorrir. Quando Ele pede para que descansemos nos seus braços, eu acredito que é absolutamente o que Ele quer que saibamos: tudo está sob o Seu controle. Ele chama cada uma de suas estrelas pelo nome e as abraça. E o abraço as deixa perto do coração. E, de repente, de perto passamos a estar dentro.

Gosto de imaginar a gargalhada do Senhor quando meu modo exagerado de encarar coisas simples toma conta de mim – confesso que gosto de fazer um drama só de imaginar essa possibilidade. A verdade é que, no fundo, essa certeza de que Deus está 100% presente em todos os momentos da vida dos seus filhos e já sabe de todas as coisas antes mesmo da fundação do mundo me toma e não me desampara.

Ele é.

Paz em meio ao caos. Graça imerecida. Misericórdia ao culpado. Pão ao que tem fome. Ele é suficiente e não existe nada maior – nem mais profundo ou incompreensível – que o Seu amor. Ele ouve. Ele vive, e reina! Não existe palavra dita por boca humana que seja maior que a palavra viva que desceu dos céus. Não existe enfermidade maior que a vida eterna que nos foi dada (e dada de graça). Não existe solidão, nem dor. Ele oferece o que é.

Só quero estar onde Ele quer que eu esteja, fazendo o que precisa ser feito e no tempo em precisa ser feito e, o mais engraçado de tudo, é que até esse desejo já foi suprido nos lugares celestiais. A verdade é que até quando você anda pelos caminhos errados, e ainda que não peça a sua permissão para andar por esses caminhos… Ainda ali ele está a segurar a sua mão.

Ainda que não saibamos reconhecer a sua voz com a clareza que Ele mesmo deseja, Ele continua com Seus olhos sobre os seus. E quando estamos cansados e desanimados, quebrados e destruídos jamais estamos desamparados.

Ele esta 100% presente, então não peça que Ele venha. Peça para que ele abra os seus olhos e se revele.

Insista, não desista.

13 de julho de 2017 26 comentários
292 Facebook Twitter Google + Pinterest

Não escrevo essas palavras como forma de desabafo, nem tampouco elas são um pedido de direcionamento ou aconselhamento. O meu objetivo é mostrar que meu coração também está em obras como o seu coração e que o Espírito do Senhor é meu maior discipulador (e pode ser o seu também).

Eu cheguei à conclusão de que não conheço a Deus.

E quanto mais O conheço, mais reconheço que nada sei sobre o Seu infinito amor. O coração humano é uma fábrica de ídolos, já dizia Calvino (e antes que você pense que eu milito sobre o assunto calvinista/arminiana a resposta é: não. Eu não tenho uma opinião formada sobre esse assunto). Mas Calvino sabia o que estava dizendo quando proferiu essas palavras.

Inúmeras são as vezes em que nos apegamos às características de Deus que mais nos agradam e excluímos as outras, que não nos convém. Um vídeo do David Mesquita me fez refletir muito sobre esse assunto. Desse modo, criamos para nós mesmos um Deus particular e convencional que não nos incomoda ou que é bondoso ao ponto de tratar algumas de nossas falhas com uma leviandade que não é nada divina.

Deus é amor? Infinitamente amor. Mas Deus é justiça também. Ele é digno de temor e tremor e algumas coisas não podem simplesmente ser retiradas na nossa imagem de quem o Senhor é por que julgamos que elas não nos convém, ou que não convém a esse tempo. Pregamos que não dá pra ser “meio cristão”, mas nos esquecemos de que também não dá pra amar um “meio Deus”.

Cansei de ignorar uma parte de Deus por que ela não faz sentido pra mim.

Quando canto “quero conhecer Jesus, e ser achada Nele” quero dizer que quero conhecer Jesus na sua plenitude, não a parte que me convém. E isso significa que, muitas vezes o que me parece mau, não é mau. Porque sua palavra afirma que Ele é bom, e Sua palavra também afirma que todas as coisas cooperam para o bem dos que amam a Deus. Simplesmente não posso confiar no meu julgamento sobre o que é bom ou mau.

Por que decidi escrever sobre isso? Primeiramente porque escrever organiza as ideias aqui e coloca as coisas no lugar e, segundamente (se essa palavra existir), por que eu tenho observado o comportamento da minha geração. E isso tem me preocupado muito (pra não dizer que tem me feito chorar muito também).

Somos aqueles que gritam “quero conhecer Jesus”, mas que têm medo de conhece-lo em sua plenitude e descobrir que precisam deixar de lado algumas coisas que parecem ótimas. Que parecem “aceitáveis”. Somos aqueles que tiram fotos de suas bíblias, pregam perdão e arrependimento mas nós mesmos não lemos, perdoamos e nos arrependemos dos nossos maus hábitos. A porta continua estreita.

Se você se sentiu incomodado, saiba: nem tudo está perdido.

Agradeça ao Pai por que essa incomodação não fui eu quem provoquei com meu jeito de organizar as palavras, mas o Espírito.

 

Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido.

 

1 Coríntios 13:12

 

Eu quero conhecer Jesus na sua plenitude, e ser achada Nele. Doa o que doer. Custe o que custar.

5 de junho de 2017 24 comentários
463 Facebook Twitter Google + Pinterest

Por que você vive o que vive e corre atrás das que coisas está correndo? Esses tem sido dias de desconstrução completa por aqui. Acredito que esse será um ano em que vasos serão quebrados em todas as esferas da vida dos filhos de Deus. E quer saber? Ainda bem.

Temos vivido tempos intensos e é difícil manter o foco e a concentração nas coisas que Deus está fazendo no meio dessa revolução gigante. Somos bombardeados com novidades e coisas que nos deixam “waaaaaaaaah como assim?!” o tempo inteiro. Vemos cristãos invadindo as ruas, curando os enfermos, entregando palavras, libertando os cativos… Do fundo do meu coração: eu amo isso.

De verdade, não sou ninguém. Muitos de vocês já estão há anos caminhando com Deus e insisto em dizer: tenho muito a aprender. Há dois anos eu não fazia ideia do que significava “igreja” e a cada manhã me levanto sabendo que algo novo o Senhor há de me ensinar.

Eu meio que nasci no meio desse mar de intensidade que essa geração tem vivido, mas já vivi momentos de entusiasmo gigante quando não vivia com Deus e posso dizer: todos eles passaram. É aí que a minha base treme.

Deslumbrados e fadados.

Nós, enquanto seres humanos, estamos fadados à ficar de saco cheio depressa. Tudo o que é incrível, uma hora passa a ser comum. Todo entusiasmo, hora ou outra, deixa de ser. Com a facilidade que ficamos deslumbrados, deixamos de ficar. Isso é extremamente curioso (diria até perigoso, mas decidi eufemizar). Na bíblia temos muitos exemplos de como essas coisas aconteceram, como quando o maná que caía do céu e a coluna de fogo que acompanhava o povo de Deus passaram a ser comuns, e mesmo hoje: você sabia que a água cair do céu é um milagre? Isso não acontecia antes de noé, por exemplo.

O entusiasmo sem foco pode nos levar à beira de um precipício sem que percebamos. Dessa forma, não exorto a empolgação pois acredito que é ela que nos impulsiona pra frente. É ela quem nos faz levantar todos os dias, que nos eleva. Minha apreensão está no coração humano, que facilmente pode se perder no meio de tanto alarde.

Por favor, cuide do seu coração. Acredite, direciono essas palavras aos meus ouvidos também.

Não digo estas coisas a fim de lhes repreender, mas alertar. Não conheço seus pensamentos, não sei se levantaram altares nos seus corações para coisas que não deveriam estar lá, mas cuidem dos seus corações.

O foco.

Não se esqueçam da essência do evangelho, em nome de Jesus! Não concentrem-se apenas nos que estão perdidos, doentes e oprimidos foras das paredes das suas congregações mas naqueles que estão do lado de dentro também. Não concentrem-se em ganhar as famílias do mundo, apenas, mas lembrem-se das suas. Não concentrem-se em contar suas histórias de avivamento ao máximo de pessoas que conseguirem para conquistar influência, mas lembrem-se do lugar secreto. Jesus não se preocupou em apenas contar histórias, mas em vivê-las.

O Amor, amou. Lembre-se da inocência de uma criança e concentre-se em Deus.

Vivam a intensidade das coisas que estão acontecendo, mas não se esqueçam que Jesus não vive em você só pra que Ele esteja em você: Ele veio porque quer amar o mundo através de você.

Não é sobre você, é sobre Ele. Não é sobre suas histórias: é sobre vida. E vida em abundância.

25 de maio de 2017 12 comentários
257 Facebook Twitter Google + Pinterest

Somos culpados pelo grande número de pessoas que se perderam dos caminhos do Pai. É verdade que toda história é singular e que a perdição não possui receita, mas uma parcela disso é nossa.

A ausência da empatia nos nossos corações e o egoísmo exagerado nos endureceram uns para com os outros. Não sei dizer ao certo se são questões mal resolvidas dentro dos nossos próprios pensamentos (hipótese que tem bastante peso do lado de cá), ou se nossa mania de mostrar ao mundo aquilo que não somos.

Eu não sei.

O que sei é que inúmeras vezes quisemos obrigar as pessoas a sentirem as mesmas coisas que sentíamos imaginando que elas possuíam exatamente a mesma cosmovisão de mundo que nós. O que sei é que todas as vezes que gritamos “você precisa amar a Deus!”, não estávamos incentivando as pessoas a O amarem, mas lembrando-as de que elas não o faziam.

Todas as veze que exaltamos aquilo que éramos e o relacionamento que possuíamos, quando nossas intenções não estavam no lugar certo, envergonhamos as pessoas. Eu e você não somos responsáveis pelas maneira que cada um recebe uma mensagem que buscamos transmitir, mas somos responsáveis pela maneira que fazemos isso. Sabe, o mundo está farto de pessoas que falam em nome de Jesus mas não O conhecem.

O mundo está cheio de pessoas que dizem “Jesus te ama”, mas não amam.

O mundo não aguenta mais a hipocrisia daqueles que dizem que suas vidas só terão sentido quando amarem a Deus, mas que não param para ouvir as suas dores. Que não se misturam. Que não buscam compreender.

Experimente um dia sair à noite em um dos lugares mais propensos à perdição na sua cidade. Encontre um lugar para se sentar e imagine, por um instante, que todas as vidas que estão passando diante dos seus olhos possuem uma história. Que todas as vidas que estão carregando copos com bebidas que não fazem ideia do que são, e ingerindo drogas que não sabem o efeito que produzirão buscam respostas.

Agora tome consciência que que o Dono das respostas está dentro de você. Em você.

Porque você fala Dele na terceira pessoa se é EM você que Ele está?

Ame. Seja. Viva. Empatia!

27 de abril de 2017 22 comentários
201 Facebook Twitter Google + Pinterest

Já faz um tempo que não nos vemos aqui (a faculdade está me consumindo), mas essa semana encontrei uma mensagem poderosa sobre o a “inimizade” existente entre homens e mulheres dada pelo Anderson Silva (não é o lutador, sei que você pensou nisso também).

Nessa categoria aqui no blog você também encontra outros áudios sobre o tema que podem enriquecer o seu conhecimento acerca da realidade feminina nas igrejas hoje em dia. We go, girls!

Jesus em nós.

Aqui, Anderson levanta questões importantes pra fazer você pensar sobre as discrepâncias de personalidades masculina e feminina. Vale muito à pena! (eu mesma já ouvi umas 3x)

25 de abril de 2017 3 comentários
56 Facebook Twitter Google + Pinterest