Tag:

Amizade

Tem sido incrível acompanhar o conhecimento de Deus se expandindo na nação. Tenho visto de modo crescente o povo de Deus exalando a bondade e o caráter do Senhor e, de verdade, isso alegra o meu coração. Me alegro ao saber que a graça e a beleza do Criador tem invadido os púlpitos do Brasil, mas estou aqui para lembrar da importância de pregar comportamento. De ensinar a lei, de ministrar sobre o modo que o Senhor se movia em meio às pessoas. Estou aqui pra te lembrar, também, que muitos não concordam com o que eu acabei de dizer, mas eu tenho bons argumentos para escrever o que estou prestes a escrever. O único que me deterei nesse momento é o de te dizer que você precisa saber o que fazer. Precisa entender o que é errado e o que é bom aos olhos de Deus e, esse é o objetivo da lei. Essas coisas vem através do ensino e, como uma amiga, quero te aconselhar aqui.

O que fazer quando me sinto um peixe fora d’água?

Tenho recebido inúmeras perguntas sobre amizades dentro da igreja. Sobre sentir-se um “peixe fora d’água” na comunidade local ou “perceber” que a maioria das pessoas não aceita o seu modo de ser. Preciso dizer, também, que eu entendo isso. Já passei por diferentes estágios dessa sensação de inadequação no meio do povo de Deus, e posso dizer sim que “eu entendo”. Outra coisa, que eu também preciso dizer, é que eu também entendo que não dá pra aplicar um modelo de ação (que é mais ou menos o que eu pretendo fazer aqui) pra todos os casos. Cada situação é única. Queria poder abraçar todas, mas eu não consigo. Por isso a comunidade local (pela qual, muitas vezes, você se sente rejeitado) é o melhor organismo pra te ajudar a superar isso. Estou falando sério.

Sei dos diferentes tamanhos de igrejas no Brasil – a minha pode se considerar “pequena” –  mas também sei que em muitos desses casos existem vários líderes separados pra te ajudar a crescer, os quais você deveria responder. Se você não possui isso, meu conselho mais sincero é: caçe um. Procure alguém pra te liderar (E se isso acabou de ferir o seu ego, entenda que é algo que precisa ser tratado pelo Senhor em você. Você precisa de liderança, moço(a). Isso é bíblico.)

Pule na água.

Quando eu encontrei Jesus sabia que precisaria frequentar a igreja. Você também sabe que precisa disso. Logo depois da minha conversão, então, passei a frequentar a igreja das pessoas que haviam pregado o evangelho a mim e não saí de lá até o momento (nem pretendo, amo vocês <3). Eu não conhecia absolutamente ninguém (a não ser as duas pessoas que haviam pregado o evangelho para mim, dois meninos), e fui algumas vezes à igreja conhecendo apenas essas duas pessoas. Frequentava os cultos e sabia que precisava de amigas de fé, mas as meninas sempre foram mais tímidas que os meninos, então elas me cumprimentavam com muito amor mas não passava dali. Do culto. Voltava pra minha casa sem ter relacionamento com elas, mas eu desejava muito!

A minha personalidade introvertida não me faz uma pessoa de grandes contatos à primeira vista. Não sou do tipo que sai cumprimentando a todos e faz amizade ali, do nada. Sou muito boa no “um a um” e, sabia que se quisesse construir amizades sólidas, eu precisaria colocar minha força e energia em conhecer as meninas no “um a um”. Então foi o que eu fiz.

Olhava a mulher do meu pastor cheia de admiração e dizia “eu preciso ser amiga dessa mulher, ela é demais!”, e olhava pra outras meninas que perseguiam o coração de Jesus diligentemente e pensava a mesma coisa. Então um dia eu descobri o telefone da Elisa (a mulher do meu pastor e uma das minhas melhores amigas hoje em dia) e mandei uma mensagem dizendo: Elisa, eu preciso te contar a minha vida e ser sua amiga. Quando você pode? Então foi assim que eu fiz minha primeira amiga. E depois disso fiz quase a mesma coisa com todas elas. E hoje eu tenho muitas! Porque eu fui atrás. Eu queria fazer parte da vida daquelas pessoas que amavam e conheciam Deus.

Você precisa parar de reclamar sobre o quanto se sente “excluído” e fazer alguma coisa.

Parece simples, mas não parou só aí. Eu era a menina geek. Lia vários livros de fantasia e assistia a séries descoladas. Me vestia de um jeito diferentão e me considerava diferentona. Logo, queria que os meus amigos fossem assim também. Mas na minha igreja quase ninguém leu Harry Potter ou gosta de usar “mom jeans” como eu. Quase ninguém preenchia a lista mental que eu tinha de “pessoas legais pra se caminhar”. Muitos deles não escreviam correto no whatsapp e vários outros mandavam imagens de “bom dia” nos grupos (o que era bem “aaargh” pra mim). E sabe o que eu fiz? Joguei a lista fora.

Não me importa se eles escrevem certinho, ou se gostam de usar all star. Se curtem ouvir Josh Garrels ou Diante do Trono. Eu quero viver comunidade, e isso está além do que o que eu vejo com os meus olhos. Está além de parecer cool com amigos “cool”. E, quando eu joguei essa lista fora, eu conheci corações lindos. Gente que ama gente. Quente que sofre. Gente resiliente. Gente madura.

E eu só aprendi. Aprendi sobre Deus, aprendi sobre amor e aprendi sobre humildade. Acho que amizade, no fim das contas, tem a ver com essas coisas.

Jogue fora a sua lista. Pise em cima do seu orgulho e da tentação de “venham a mim vós que quereis a minha amizade e eu serei amiga de vocês”. Mude o curso da história. Tá?

2 de agosto de 2018 0 comentário
122 Facebook Twitter Google + Pinterest

Sinto constantemente uma necessidade absurda de sumir. Não é tão triste quanto seus pensamentos fizeram soar. Na verdade, estou cansada de ver as pessoas olhando pra essa parte de mim com “pena”. Como amiga, me sinto obrigada a te dar algumas satisfações acerca do que realmente acontece quando me afasto de tudo, ou de você, ou seja lá do que mais eu me afastar. Talvez grande parte das pessoas que abraçam a solidão não olhem pra ela com os mesmos olhos que eu (e talvez essa grande parte precise realmente de ajuda psicológica, atenção especial e abraços quentinhos).

Meus vinte e poucos anos de vida me fizeram perceber que a maioria das pessoas que conhecem esse meu lado “obscuro” não sabem lidar muito bem com ele… Existem sim os que são tendenciosos à depressão, mas eu nunca me senti parte desse grupo. Existem sim aqueles que se afastam dos amigos e precisam ser resgatados porque ficam mais fracos, mas esse nunca foi o meu caso.

Dois parágrafos pra “ajudar você a lidar”:

Em verdade, em verdade eu te digo: não preciso que você me resgate, mas que me ame e respeite. Não preciso que corra atrás de mim e diga “estou preocupado com você, está tudo bem?” (e, quero deixar claro, que acho isso lindo demais… não se sinta culpado se acaso se sentir assim), só preciso que diga “eu estarei aqui quando voltar”. Tenho duas grandes amigas que aprenderam a lidar com isso de um jeito incrível, gostaria de compartilhar: elas mandam mensagens dizendo “estou com saudades”; “estamos juntas, conectadas”; e mandam áudios engraçados de modo completamente aleatório. É simples! O amor, carinho e consideração que temos umas com as outras nunca muda.

A solidão sempre foi associada à tristeza e acredito que isso aconteceu pelo simples fato de que desenvolvemos uma capacidade desconhecida de ignorar nossa essência. Os momentos à sós nos expõem pura e simplesmente a quem somos de verdade (e algumas pessoas estão aprendendo a aceitar seus verdadeiros “eus”). Mas aqui é diferente, por isso sinto que preciso te explicar.

Eu não escolho sumir: eu preciso.

Não sei se você já teve a sensação se estar no meio de muitas pessoas e, de repente, só desejar estar assentado na sua cama existindo. Eu amo me assentar na minha cama e simplesmente existir! Eu amo colocar minhas músicas favoritas e dançá-las com Deus. Eu amo apagar as luzes à noite, deixar a janela aberta e pensar como a luz tem mais influência sob a escuridão do que o contrário. Amo criar teorias com o Pai que simplesmente me esquecerei em cinco minutos ou fazer planos impossíveis e mirabolantes que não fazem sentido algum. Ruído demais, gente demais e informação demais são coisas que me sufocam.

A solitude me traz alegria. É importante reconhecer que existem pessoas que precisam do contato social pra manter seus relacionamentos, e que olham para a solitude com olhos de solidão. Não há nada errado em não querer estar só, assim como o mesmo se aplica ao fato de desejar isso. A solidão dói, mas a solitude traz paz. Sumir me rejuvenesce, me traz vida, me faz crescer!

Há dias que esses momentos duram só alguns minutos, ou horas. Há momentos que o meu desejo de estar só passa do período de um dia (e houveram situações que isso durou semanas!), mas eu sempre volto. Sempre volto e o tempo longe não esmorece nada em mim: eu continuo a amar com a mesma intensidade.

Eu voltarei, sempre volto (só esteja lá quando esse momento chegar).

15 de maio de 2017 35 comentários
421 Facebook Twitter Google + Pinterest

Você que foi, é, e você que ainda há de vir: leia essas palavras com muito amor.

Eu sou complicada, sim. Sumo, exijo amor, me cobro demais. Tenho aprendido muito o que significa, de fato, a amizade nos últimos tempos. Não sei em qual parte da minha história aconteceu, mas eu me fechei pra você. Acho que meu coração, de uma forma ou de outra, acabou querendo se proteger demais de decepções que nem chegaram a acontecer. Essa coisa de sofrer por antecipação sempre me prejudicou demais.

Quando eu via que você se divertia sem mim, achava melhor me afastar e evitar de estragar toda a sua alegria com meus dramas. Mesmo perto de você eu me sentia sozinha. Nunca fui boa com essa coisa de intimidade, preciso confessar. Não sabia abrir a porta do meu quarto e te apresentar, passo a passo, o lugar de cada coisa e como eu me sentia a respeito de cada uma dessas coisas. Preferia ouvir você e te ajudar com a pouca sabedoria que me restava. Por trás de alguém que dá muitos conselhos existe alguém que já foi muito ferido, certo? De que maneira se adquiririam experiência e conhecimento suficientes para decidir “um caminho melhor”? Voltando.

Escrever isso não tá sendo fácil, preciso admitir. Você já deve ter percebido que eu não corro muito atrás de você, e esse é outro grande problema. Não é que eu não me interesse pela sua vida ou te ame pouco. Definitivamente eu não te amo pouco. Acho que tá mais ligado com essa dificuldade de: se você me contar os seus segredos, eu terei de te contar os meus e isso não é nada fácil por aqui.

Escondo os meus sentimentos até de mim.

Preciso te dizer que não é fácil me ter por perto. Por favor não leia isso como se eu fosse prepotente, por favor! Eu tenho trabalhado isso dia após dia, não tem sido fácil, mas eu cansei de me sentir só. Cansei de não compartilhar segredos, de não falar o que sinto. Eu posso ver a mãozinha de Deus colocando pessoas como você no meu caminho. Minha amizade com Papai é outra história, nesse texto estou falando é com você mesmo.

Se você me permitir, quero aproveitar a oportunidade de hoje pra te pedir uma coisa muito importante: não desista de mim. Eu tô tentando mudar (se você olhar pro meu eu de uns 6 meses atrás pode perceber que eu mudei mesmo). Não pense que te amo pouco, porque te amo muito. Eu tô tentando melhorar, me ajuda?

20 de julho de 2016 18 comentários
101 Facebook Twitter Google + Pinterest