Tag:

Com Trilha Sonora

Eu só sei chorar. Meu Deus, eu só sei chorar.  Nos últimos meses não consegui definir em palavras um terço das coisas que senti, mas hoje eu acordei com saudade. As coisas não estão bem, meu amigo, e eu não estou a falar de mim. O mundo inteiro não vai bem: ele chora. Eu não costumo falar disso, porque ainda há muito a se aprender a respeito da volta do Senhor, mas o que eu sei é que as coisas só estarão bem quando Ele estiver aqui (eu sei que Ele já está em nós, mas você sabe do que eu estou falando).

Eu sinto a falta que Ele faz.

Você e eu nascemos para a plena comunhão. O mundo inteiro nasceu para a plena comunhão. O lugar de oração fortalece você no amor ao Senhor, mas nada se compara àquilo que nos espera no futuro. Você já parou pra pensar no quanto o mundo geme sentindo a Sua falta? Sofrimento, dor, lágrima. A plena comunhão ainda não está aqui. Nós possuímos o vislumbre, mas ele é apenas um vislumbre. Toda escatologia que afasta você do amor ardente pela volta do Senhor precisa ser revista. Esse não é um texto sobre escatologia, mas eu quero que você reflita no quanto (e se) você tem desejado que Ele volte.

Que Ele venha.

Que Ele tome o que é Seu. Que estabeleça o Seu reino e as Suas verdades. Que Ele reine na Terra, que ande no meio de nós. Que fale no meio de nós. Que ame no meio de nós. Meus amigos, eu estou em lágrimas. As guerras, toda morte e opressão não dizem sobre quem Ele é. A natureza humana não diz sobre quem Ele é em plenitude. As coisas como estão, não dizem sobre quem Ele é e eu sei que Ele deseja isso (viver no meio de nós) muito mais que eu, você ou qualquer outra criatura.

Eu não estou falando de tribulação, nem de arrebatamento ou de qualquer teologia com suas linhas de pensamento. O meu desejo aqui, é lembrar você da falta que Ele faz e a clamar pelo retorno do Noivo. Ele está ausente, e as coisas só vão pro lugar quando Ele voltar.

E assim elas ficarão pra sempre.

Jejue, ore, sinta a falta que Jesus faz.

“O Espírito e a noiva dizem: “Vem!” E todo aquele que ouvir diga: “Vem!” Quem tiver sede, venha; e quem quiser, beba de graça da água da vida.” Apocalipse 22:17

25 de junho de 2018 0 comentário
136 Facebook Twitter Google + Pinterest

Quando pensei que havia entendido o amor de Deus por mim e aceito, de uma vez por todas, a percepção de que fui feita para o Criador, foi que eu percebi que esse entendimento necessitava de muito mais que apenas informação. E eu falo aqui de revelação. Desde então eu passei a caçar isso com todas as minhas forças. Em minhas orações eu clamava por essa revelação. Eu precisava reconhecer o quão amada eu era pelo Senhor. Até que Ele me mostrou uma parcela. Uma pequena parte. Algo completamente insignificante se comparado à real proporção dos sentimentos escondidos em Seu coração, mas foi o suficiente para balançar completamente as minhas estruturas.

Vou te confessar que é muito difícil organizar uma coisa dessas em palavras. Não sei explicar o gosto de algo com fidelidade, a não ser que você experimente esse algo (e que quando você experimenta, então, com lágrimas nos olhos, olha pra mim e diz “agora eu sei do que você estava falando todo esse tempo”).

26 de março de 2018 0 comentário
253 Facebook Twitter Google + Pinterest

Nada começa a doer sem motivo, assim como o pecado. É claro que não estou falando de dor física, todo aquele que já chutou a quina de algum lugar há de concordar comigo. Mas você não “peca do nada”, pelo contrário. Você alimenta o pecado com pensamentos, o permite crescer em seu coração até que ele, então, aconteça. O perigo que existe em manter-se ignorante acerca do que acontece no seu coração, assim como o pecado, pode doer bastante lá na frente. Sim, a bíblia nos apresenta dois modos de aprender: com os erros dos outros, ou passando por eles.

Vou permitir que você aprenda ouvindo os meus erros.

Desde o meu nascimento eu precisei passar por eles, os erros. Para aprender que o fogo queima, ao invés de escutar minha mãe precisei tocar nele (e doeu bastante). Hoje entendo que meter qualquer parte do seu corpo em qualquer tipo de chama não é bom. Mas, o maior erro que eu já cometi foi permanecer ignorante sobre o que o meu coração estava realmente sentindo. Estou sendo vulnerável com você e expondo que estou passando por um dos momentos mais complicados da minha caminhada com Deus até então.

Foram anos “fingindo que estava tudo bem”. Foram meses tentando convencer a mim e às pessoas que estava tudo maravilhoso. Foram inúmeras idas ao lugar secreto, depois de passar por uma leve crise, para dizer ao Papai “obrigada por ter me curado disso” sem sequer conversar com Ele sobre esse “isso”.

Passei muito tempo da minha vida varrendo a casa e colocando a poeira debaixo do tapete ao invés de pegá-la com uma pá e leva-la para fora. Tantas foram as vezes que fiz isso que o volume de sujeira formou uma elevação no meio da sala até que, num dia “simplesmente curado”, tropecei no volume.

Por não olhar para dentro, não entendi como as minhas emoções funcionavam. Por ignorar o modo com o qual elas funcionavam, não soube usar as estratégias capazes de impedi-las de tomar conta do meu ser. Não tornei minhas emoções cativas, não as disciplinei com a Palavra da vida. Caminhei como uma pessoa completamente curada quando, na verdade, sequer permiti que Papai me curasse de verdade.

 

The one who’s torn me apart.

Minha alma começou a ficar abatida, e esse foi o primeiro sinal. Estava tudo indo muito, muito bem! Mas não conseguia entender porque as pessoas olhavam para mim e tornavam a perguntar repetidamente “está tudo realmente bem?”. Será que estava tudo realmente bem? Perguntei ao Senhor o que levou minha alma a ficar abatida e encontrei uma “possibilidade”. Apresentei a Ele essa “possibilidade” e, foi aí, que Ele levantou o tapete e mostrou todas as dores escondidas. Apresentei ao Papai um broto do meu jardim, Ele o puxou, e sua raíz era muito, muito profunda.

Analisando a dor, anatomicamente falando, ela produziu em mim vergonha.

Como isso cresceu tanto? Por que ainda está aqui? Como não pude enxergar uma coisa dessas antes? Eu só sabia chorar. Deparei-me com uma face escondida em mim que mostrava quem eu realmente era e ela não produziu em mim regozijo algum. Eu só sabia chegar aos pés do Papai e chorar. Aquilo doeu! Foram dias difíceis. Enquanto não me julguei completamente livre do peso da dor, não hesitei em apartá-lo de mim.

Se estava doendo, então eu deixaria doer. Se estava latente, permitiria latejar.

Mas houve um dia em que me acheguei diante do Senhor para, mais uma vez, pedir desculpas pelo acontecido. Acheguei-me, mais uma vez, coberta de vergonha e de reconhecimento das minhas limitações para desculpar-me ao Papai por ter sido tão inconsequente, até que experimentei algo novo: a alegria do perdão. O regozijo em descobrir que não há pelo que desculpar-se, pois o Amor pagou pela multidão de erros.

Experimentar o perdão mudou tudo. Tem mudado tudo.

Descobri que a cura não acontece como em um passe de mágica, mas que ela é um processo. Quando nos submetemos a esse processo observando as mãos do Criador trabalhando para que uma versão forte e surpreendente de nós mesmos seja revelada, entendemos que Ele está sempre fazendo algo novo. Descobri que ser Filha não é colecionar, somente, momentos caminhando por bosques floridos de mãos dadas com o Papai, mas caminhar pelo vale da sombra da morte ancorada pelas mãos do Senhor. Percebi como os vales nos equipam para seguirmos a jornada mais fortes. Entendi que Papai, mesmo nos momentos de dor, sente prazer em nós.

Though you slay me
Yet I will praise you
Though you take from me
I will bless your name
Though you ruin me
Still I will worship
Sing a song to the one who’s all I need

Though tonight I’m crying out
Let this cup pass from me now
You’re still all that I need
You’re enough for me

 

25 de setembro de 2017 24 comentários
427 Facebook Twitter Google + Pinterest

Sinto constantemente uma necessidade absurda de sumir. Não é tão triste quanto seus pensamentos fizeram soar. Na verdade, estou cansada de ver as pessoas olhando pra essa parte de mim com “pena”. Como amiga, me sinto obrigada a te dar algumas satisfações acerca do que realmente acontece quando me afasto de tudo, ou de você, ou seja lá do que mais eu me afastar. Talvez grande parte das pessoas que abraçam a solidão não olhem pra ela com os mesmos olhos que eu (e talvez essa grande parte precise realmente de ajuda psicológica, atenção especial e abraços quentinhos).

Meus vinte e poucos anos de vida me fizeram perceber que a maioria das pessoas que conhecem esse meu lado “obscuro” não sabem lidar muito bem com ele… Existem sim os que são tendenciosos à depressão, mas eu nunca me senti parte desse grupo. Existem sim aqueles que se afastam dos amigos e precisam ser resgatados porque ficam mais fracos, mas esse nunca foi o meu caso.

Dois parágrafos pra “ajudar você a lidar”:

Em verdade, em verdade eu te digo: não preciso que você me resgate, mas que me ame e respeite. Não preciso que corra atrás de mim e diga “estou preocupado com você, está tudo bem?” (e, quero deixar claro, que acho isso lindo demais… não se sinta culpado se acaso se sentir assim), só preciso que diga “eu estarei aqui quando voltar”. Tenho duas grandes amigas que aprenderam a lidar com isso de um jeito incrível, gostaria de compartilhar: elas mandam mensagens dizendo “estou com saudades”; “estamos juntas, conectadas”; e mandam áudios engraçados de modo completamente aleatório. É simples! O amor, carinho e consideração que temos umas com as outras nunca muda.

A solidão sempre foi associada à tristeza e acredito que isso aconteceu pelo simples fato de que desenvolvemos uma capacidade desconhecida de ignorar nossa essência. Os momentos à sós nos expõem pura e simplesmente a quem somos de verdade (e algumas pessoas estão aprendendo a aceitar seus verdadeiros “eus”). Mas aqui é diferente, por isso sinto que preciso te explicar.

Eu não escolho sumir: eu preciso.

Não sei se você já teve a sensação se estar no meio de muitas pessoas e, de repente, só desejar estar assentado na sua cama existindo. Eu amo me assentar na minha cama e simplesmente existir! Eu amo colocar minhas músicas favoritas e dançá-las com Deus. Eu amo apagar as luzes à noite, deixar a janela aberta e pensar como a luz tem mais influência sob a escuridão do que o contrário. Amo criar teorias com o Pai que simplesmente me esquecerei em cinco minutos ou fazer planos impossíveis e mirabolantes que não fazem sentido algum. Ruído demais, gente demais e informação demais são coisas que me sufocam.

A solitude me traz alegria. É importante reconhecer que existem pessoas que precisam do contato social pra manter seus relacionamentos, e que olham para a solitude com olhos de solidão. Não há nada errado em não querer estar só, assim como o mesmo se aplica ao fato de desejar isso. A solidão dói, mas a solitude traz paz. Sumir me rejuvenesce, me traz vida, me faz crescer!

Há dias que esses momentos duram só alguns minutos, ou horas. Há momentos que o meu desejo de estar só passa do período de um dia (e houveram situações que isso durou semanas!), mas eu sempre volto. Sempre volto e o tempo longe não esmorece nada em mim: eu continuo a amar com a mesma intensidade.

Eu voltarei, sempre volto (só esteja lá quando esse momento chegar).

15 de maio de 2017 35 comentários
420 Facebook Twitter Google + Pinterest

Eu fico perdida sem Você. Não existe vida sem sentir o Seu respirar e eu já estou enlouquecendo. Você pode me ouvir? 

Você sempre diz que está por perto, portanto ouça: nem em mil anos eu conseguiria imaginar uma realidade sem o Teu doce amor. Eu entendo o seu silêncio, entendo que nada mais pode importar. Entendo que preciso depender, mas por favor me diga alguma coisa. É difícil respirar longe de Você. É difícil caminhar, os meus ossos estão doendo. Eu não vou me entregar, está me ouvindo?

Olho pro lado e só vejo o árido, Deus. Olho pra frente e não vejo o fim… Tenho sede, tenho fome. Corro sem parar, mas minhas pernas estão pesadas. Não sei pra que lado andar, o Sol me cega. Tenho sede, meus lábios estão secos. Já me mostraram tanta coisa, já vi tanta miragem… Por favor, não permita que eu me corrompa. A insanidade tomou conta de mim e me esqueci como é pensar racionalmente sobre as coisas.

Vi um leão.

Enquanto caminhava um leão me encontrou, era Você? Quase implorei pra que ele me devorasse, Pai, mas ele só sabia me observar e rugir. Ele chegou perto o suficiente pra me ouvir chorar. Será que sentiu pena da minha limitação? Ele tinha os seus olhos, eu acho. Não sei distinguir, meus olhos já não são os mesmos.

Você é o amor da minha vida, é tudo o que eu tenho. Olha pra mim e embala meus pés na Tua canção mais uma vez. Tira a venda dos meus olhos, abre os meus ouvidos. Você pode me ouvir?

Eu me rendo. Estou completamente entregue à minha incapacidade de não conseguir mais viver sem Você. Eu não quero me corromper. Não vou. Olha pra mim, Deus. Só tenho cacos de mim e não sei o que fazer com eles. Mestre, Você é tudo o que eu preciso.

Olha pra mim, Deus. me dá os Teus olhos pra que eu possa enxergar mais uma vez. Eu estou cega. A vida não tem brilho. Não sou nada além de pó, Pai. Longe de você fico perdida. Sopra sobre os ossos secos que restaram aqui. Sem você não existe vida.

Não peço para que me tires daqui, mas para que me sustentes. Como Jesus, que depois de sair do Jordão foi levado ao deserto. Toda glória ao Teu nome, meu único e eterno Salvador.

Você pode me ouvir? Eu preciso de Você. Dá-me de beber.

25 de novembro de 2016 11 comentários
39 Facebook Twitter Google + Pinterest

Poucas vezes na vida me senti tão confrontada e, ao mesmo tempo, confortada. Os últimos tempos têm sido bombardeados de decepções, dilemas e conflitos internos e preciso compartilhar as coisas que o clipe que mais me descreveu na vida toda despertaram dentro de mim.

Sou uma pessoa que aprende na marra. Quando era pequena, minha mãe sempre me falava pra não mexer no fogão porque não tinha experiência e ele me queimaria. Eu nunca fui de fácil com essa coisa de receber ordens e, por isso, mexi. O resultado foi uma cicatriz que carrego na mão esquerda até hoje, e ela me faz lembrar todos os dias que mexer no fogo é delicado e precisa de cuidado. Sou como uma criança que está aprendendo a andar e cai, torce o pé, essas coisas.

Desde que a minha nova vida começou não foi diferente.

Meus vasos.

Já me deslumbrei com muitas coisas (e pessoas) e, mesmo sendo alertada, caí nessas armadilhas simples e previsíveis. Já depositei grandes expectativas em ideias e ideologias que me frustraram de maneira sobrenatural. Já cheguei a pensar que era boa o suficiente para fazer coisas por mim mesma. Já senti orgulho das coisas que fiz “com as minhas próprias mãos”. Já enchi as minhas mãos de trabalho, e meu coração de vento.

Quando, aos prantos, percebi tudo o que Ele fez (e faz) em mim costumeiramente descrito no simples clipe de uma música. Dê o play, por favor.

Jesus, seja o centro da minha vida do início ao fim.

Se você conhecesse a intensidade do meu coração quando pronuncio essas palavras entenderia o que quero dizer. É por isso que, não importa o que eu faça sei que só Ele conhece todas as coisas. Não é o que expresso e nem como, Ele conhece.

11 de novembro de 2016 12 comentários
74 Facebook Twitter Google + Pinterest


 

Eu sou eternamente grata por ter sido salva de mim mesma. Vou te contar um pouco sobre como as coisas funcionavam por aqui antes de, finalmente, encontrar o amor incondicional de Jesus Cristo, o filho do Deus vivo.

Eu não era feliz, definitivamente não era. Me sentia presa às pessoas ao meu redor e aos seus pré-julgamentos (que eu sequer ouvia) sobre tudo o que estava relacionado a mim. Sabe, eu não me amava. O que via no espelho não era nem perto do que sonhava ser (e eu sonhava ser como a Megan Fox).

A prisão

Você sabe o que é viver preso às pessoas? Essa foi a maior obra do meu Pai no meu coração. Não era saudável, não era feliz. Necessitar da aceitação dos outros era agonizante e fez com que eu perdesse completamente minha identidade.

Roberta não tinha gosto pessoal, cor favorita, opinião. Roberta não dizia o que sentia ou pensava com medo de ser rejeitada: ela chorava só de pensar em escutar um “não”. Era a melhor da classe, não podia tirar notas ruins. Quando você perguntava pra ela “o que você acha?” ela tremia. Quando você dizia que escutava sertanejo, ela dizia que também fazia isso (mesmo detestando).

As pessoas nunca disseram que ela não era capaz, nunca oprimiram suas ideias: elas conheciam a Roberta que as agradava (e Roberta não tinha inimigos)(e só de pensar nisso, ela tremia). Ela ouvia vozes criminosas dentro da própria cabeça e essas mesmas vozes diziam que ela não era linda. Que ela não poderia algum dia ser feliz, porque não merecia.

Meu Deus, eu estou chorando muito.

Ela não merecia. Ela não podia. Ela não era capaz. Ela não podia sonhar, porque seus sonhos nunca se concretizariam. Meu Deus, ela tinha medo de viver a vida inteira sozinha. Ela não era segura de nada, não abria a boca pra nada, nunca mostrava o que sentia.

Meu Deus.

E Jesus veio.

Meu Deus.

E Ele disse quem ela era. Disse das coisas que Ele era capaz de fazer dentro do seu coração. E Jesus pôs brilho nos seus olhos e sonhos no seu coração. Ele disse que ela era amada, e ela passou a amar.

Meu Deus.

Existem muitas pessoas hoje do jeito que eu estava. E o Pai está maluco pra te fazer ouvir todas as coisas que Ele pensa sobre você. Que você é um sonho, e não há ninguém como você. Que não importa o que os outros pensem, Ele amou. Ama. Amará pra sempre. Que era o seu nome que ele pensava quando estava preso no madeiro. Que era a sua face que Ele tinha na cabeça quando venceu a morte.

Que você pode vencer, porque Ele venceu.

Não é o que as pessoas dizem, mas o que Ele diz.

6 de outubro de 2016 17 comentários
66 Facebook Twitter Google + Pinterest


Não adianta se esconder. Não adianta inventar desculpas.

Ele já sabe. Ele esteve lá, e ainda está.

Não sei se essa é uma notícia ruim pra você, ou coisa parecida, mas sinto que você precisa saber: Ele conhece cada parte do seu ser. Sabe maneiras de falar coisas que você precisa ouvir como ninguém. Sabe como são suas reações e foi o Único a secar as lágrimas do seu rosto como ninguém jamais fez. Quando você fecha a porta do seu quarto, seu Pai já está lá te esperando. Quando você diz que vai desistir, Ele grita.

Ele sabe que muitas vezes que você disse “Pai, obrigada por esse dia” e seu coração não estava, de fato, grato. Ele sabia que quando você falou que perdoou, seu coração não perdoou. Ele conhece você mais do que você mesmo e isso é assustadoramente lindo. Ele sabe que nem sempre você diz o que sente, porque seu Pai está em você. Não há o que esconder.

Intimidade assim só vem do céu.

Você pode chegar pros seus amigos e ser o melhor dos atores mostrando-se forte e invencível. Você pode fazê-lo, e mais: todos eles acreditarão. Todos tratarão você como se você realmente estivesse bem mas a verdade é que ninguém no mundo conhece de verdade (pelo ou menos não como Aquele que está em você).

Com seu Pai é diferente. Mesmo que você faça a expressão mais convincente e use as palavras mais persuasivas, não adianta de nada. Ele te conhece.

Leia essas palavras com seu coração:

“Senhor, tu me sondas e me conheces.
Sabes quando me sento e quando me levanto; de longe percebes os meus pensamentos.
Sabes muito bem quando trabalho e quando descanso; todos os meus caminhos te são bem conhecidos.
Antes mesmo que a palavra me chegue à língua, tu já a conheces inteiramente, Senhor.
Tu me cercas, por trás e pela frente, e pões a tua mão sobre mim.
Tal conhecimento é maravilhoso demais e está além do meu alcance, é tão elevado que não o posso atingir.
Para onde poderia eu escapar do teu Espírito? Para onde poderia fugir da tua presença?
Se eu subir aos céus, lá estás; se eu fizer a minha cama na sepultura, também lá estás.
Se eu subir com as asas da alvorada e morar na extremidade do mar,
mesmo ali a tua mão direita me guiará e me susterá.
Mesmo que eu dissesse que as trevas me encobrirão, e que a luz se tornará noite ao meu redor,
verei que nem as trevas são escuras para ti. A noite brilhará como o dia, pois para ti as trevas são luz.
Tu criaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe.
Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Tuas obras são maravilhosas! Disso tenho plena certeza.”
Salmos 139:1-14

Depois de um texto desses não há nada que eu possa dizer. Nada mais certo, mais íntimo.

Deus conhece cada parte do seu ser mais que você mesmo. É impossível negar, impossível fugir. Ele é em você e o mesmo espírito que perscruta o íntimo do Pai, perscruta o seu íntimo. Intimidade assim só vem do céu.

29 de setembro de 2016 5 comentários
47 Facebook Twitter Google + Pinterest

 
Se tem um negócio que eu aprendi a parar de fingir que não existe, esse negócio é a dor. A utopia faz-de-conta-que-não-somos-humanos não funciona comigo. Definitivamente não. Não que eu não acredite que a felicidade plena em Jesus seja um mito, muito pelo contrário: ela é, sem sombra de dúvidas, real. É ela que busco todos os dias.

Pode não fazer sentido pra você, mas pra mim faz todo.

O tempo todo somos bombardeados com frases que nos dizem que se não somos completamente felizes o tempo todo, não tivemos um encontro real com Deus (toda vez que leio coisas do gênero fico perplexa). A verdade é que não tem a ver com felicidade ou não: encontro real com Deus é mudança de vida. Ou seja, o que você fazia antes, hoje não faz mais. O que era antes, hoje não é mais. Você é uma obra em constante construção, nunca se esqueça disso. Um Empire States do céu!

A Utopia Perigosa

Eu definitivamente acredito na plenitude, não é à toa que busco ela todos os dias. Eu definitivamente acredito na paz de espírito, na serenidade. Definitivamente acredito! Mas você precisa concordar comigo que esconder o que se sente de verdade pode prejudicar muito a nossa essência. Feridas esquecidas não saram do jeito certo. As redes sociais estão cheias de pessoas felizes o tempo inteiro. Amém! Se essa não fosse uma mentira muito perigosa.

Não estou aqui dizendo que você precisa postar no instagram uma foto chorando ou fazer um textão falando o quão machucado o seu coração ficou depois daquele acontecimento. Por favor, não faça isso. O que eu quero dizer é: não permita que o mundo exterior contamine a sua cabeça com suas mentiras tortuosas.

Não se impeça de ficar nú diante de Deus (e de você mesmo).

Ficou triste? Diga pra Deus que ficou triste. Ficou muito bravo? Diga pra Deus que está muito bravo. Percebeu que está enciumado? POR FAVOR, CORRA PRA DEUS E DIGA QUE ESTÁ ASSIM. Não é errado, não é mau. Você está em construção, por favor, não esqueça disso.

Sabe o que é errado de verdade? Continuar na dor. Remoer sentimentos ruins. Apegar-se a coisas que não fazem mais parte da sua nova natureza.

O velho homem sempre virá à tona, isso é fato. Você vive em um corpo de carne, mas não tenha nojo disso: assuma sua postura. Declare que isso não é maior que você e tome para si a identidade que vem do céu.

Substitua seu nome em 1Coríntios 13:4-7 por todas as vezes que a palavra “amor” aparecer:

A Roberta é paciente, a Roberta é bondosa. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. A Roberta não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

Você é assim. Essa é a sua natureza. Se a outra aparecer não tem problema, a gente esmaga ela. Só me prometa uma coisa: não finja que ela não existe.

Com amor, <3

26 de setembro de 2016 8 comentários
55 Facebook Twitter Google + Pinterest

Conhecer Jesus é simples. O evangelho inteiro é simples. Ele fala de um relacionamento de amor entre filhos perdidos e sedentos do amor de um Pai que, desde o princípio, só queria saber de ouvir o som da voz daqueles a quem amou de modo sobrenatural.

O mundo diz que você não é bom o bastante. Que você precisa se sentir envergonhado. Ele diz que você precisa ser perfeito. Que se fizer algo que não se encaixa nos seus padrões de regras, você não é aceito. O mundo criou uma caixa e disse que Deus era desse jeito. “Se você não é assim, então você não merece sequer migalhas“, eles dizem. E mentem. E não existem mentiras que possam te separar do seu Pai.

Qual é a verdade? Que se você se arrepende de verdade e se rende completamente aos pés do seu Abba, Ele te ouve. Ele fala. Ele se alegra.

Eu não sei você, mas eu quero conhecer Jesus. Quero conhecê-lo como a um amigo. Quero andar com Ele e ver as coisas que Ele faz. Não quero que os outros me digam o que eu devo ou não fazer: eu quero ser como Ele é e fazer as coisas que Ele faz. A atenção exagerada que a igreja coloca nas regras faz com que nós mesmos nos impeçamos de nos perdoar. Deixa eu te contar um segredo: Jesus morreu pelo seu pecado antes de você fazê-lo. Isso te contrange? A mim muito. E é por isso que o pecado não me atrai. Porque ele faz o coração do Meu Amado chorar, e eu só quero ouvir o som das gargalhadas de Jesus. Não é porque as pessoas ao meu redor dizem que não é certo, mas porque ele me ensinou o que é ou não é certo.

Eu abro mão de quem sou pra conhecer o Seu coração.

Eu abro mão das minhas experiências, das coisas que já aprendi sobre a vida. Eu não sei de nada! Absolutamente nada! Coloco o que sou e sei de lado pra que Ele me dê todas as coisas novas: mente, coração, tudo. Eu abro mão da minha religião. Eu vou onde Jesus está e Ele vai comigo pra qualquer lugar. Sandálias do evangelho, coração de amigo.

Jesus é uma pessoa, não um conjunto de regras.

5 de setembro de 2016 7 comentários
40 Facebook Twitter Google + Pinterest
Mais recentes