Tag:

Intimidade

Sinto constantemente uma necessidade absurda de sumir. Não é tão triste quanto seus pensamentos fizeram soar. Na verdade, estou cansada de ver as pessoas olhando pra essa parte de mim com “pena”. Como amiga, me sinto obrigada a te dar algumas satisfações acerca do que realmente acontece quando me afasto de tudo, ou de você, ou seja lá do que mais eu me afastar. Talvez grande parte das pessoas que abraçam a solidão não olhem pra ela com os mesmos olhos que eu (e talvez essa grande parte precise realmente de ajuda psicológica, atenção especial e abraços quentinhos).

Meus vinte e poucos anos de vida me fizeram perceber que a maioria das pessoas que conhecem esse meu lado “obscuro” não sabem lidar muito bem com ele… Existem sim os que são tendenciosos à depressão, mas eu nunca me senti parte desse grupo. Existem sim aqueles que se afastam dos amigos e precisam ser resgatados porque ficam mais fracos, mas esse nunca foi o meu caso.

Dois parágrafos pra “ajudar você a lidar”:

Em verdade, em verdade eu te digo: não preciso que você me resgate, mas que me ame e respeite. Não preciso que corra atrás de mim e diga “estou preocupado com você, está tudo bem?” (e, quero deixar claro, que acho isso lindo demais… não se sinta culpado se acaso se sentir assim), só preciso que diga “eu estarei aqui quando voltar”. Tenho duas grandes amigas que aprenderam a lidar com isso de um jeito incrível, gostaria de compartilhar: elas mandam mensagens dizendo “estou com saudades”; “estamos juntas, conectadas”; e mandam áudios engraçados de modo completamente aleatório. É simples! O amor, carinho e consideração que temos umas com as outras nunca muda.

A solidão sempre foi associada à tristeza e acredito que isso aconteceu pelo simples fato de que desenvolvemos uma capacidade desconhecida de ignorar nossa essência. Os momentos à sós nos expõem pura e simplesmente a quem somos de verdade (e algumas pessoas estão aprendendo a aceitar seus verdadeiros “eus”). Mas aqui é diferente, por isso sinto que preciso te explicar.

Eu não escolho sumir: eu preciso.

Não sei se você já teve a sensação se estar no meio de muitas pessoas e, de repente, só desejar estar assentado na sua cama existindo. Eu amo me assentar na minha cama e simplesmente existir! Eu amo colocar minhas músicas favoritas e dançá-las com Deus. Eu amo apagar as luzes à noite, deixar a janela aberta e pensar como a luz tem mais influência sob a escuridão do que o contrário. Amo criar teorias com o Pai que simplesmente me esquecerei em cinco minutos ou fazer planos impossíveis e mirabolantes que não fazem sentido algum. Ruído demais, gente demais e informação demais são coisas que me sufocam.

A solitude me traz alegria. É importante reconhecer que existem pessoas que precisam do contato social pra manter seus relacionamentos, e que olham para a solitude com olhos de solidão. Não há nada errado em não querer estar só, assim como o mesmo se aplica ao fato de desejar isso. A solidão dói, mas a solitude traz paz. Sumir me rejuvenesce, me traz vida, me faz crescer!

Há dias que esses momentos duram só alguns minutos, ou horas. Há momentos que o meu desejo de estar só passa do período de um dia (e houveram situações que isso durou semanas!), mas eu sempre volto. Sempre volto e o tempo longe não esmorece nada em mim: eu continuo a amar com a mesma intensidade.

Eu voltarei, sempre volto (só esteja lá quando esse momento chegar).

15 de maio de 2017 35 comentários
420 Facebook Twitter Google + Pinterest

A expressão que eu mais tenho escutado nos últimos tempos é: como você amadureceu. Eu não sei se isso tem a ver com essa coisa que costumeiramente chamamos de “crise dos 20” mas, se for, a minha chegou atrasada. Meus pais ficaram assustados. Meus amigos ficaram assustados. E eu? Bem, eu não estava nem aí. Simplesmente aconteceu.

Esse processo não foi indolor, e é sobre ele que eu quero conversar.

Sabe quando dizemos que uma criança que tem tudo é mimada? Essa expressão “mimada”, na minha cabeça, me faz lembrar de uma pessoa que não conhece a vida. Que foi vítima do cuidado excessivo dos seus pais, que vive dentro da própria bolha de realidade simulada.

Como alguém que tem tudo poderia estar interessado em conhecer a dor do outro? Isso seria um incômodo. Como alguém que tem tudo poderia deixar o que tem para não ter nada? Isso seria um incômodo muito maior. O conforto nos engole e, submersos por essa âncora em lugar algum, não existe crescimento. Tenho me deparado, cada dia mais, com obesos. Não física, mas espiritualmente.

Obesidade espiritual?

O obeso espiritual é aquele que só está preocupado em receber. Que exige que as pessoas cuidem dele, porque prefere depositar seu fracasso nas costas dos outros ao invés de assumir a autoresponsabilidade pelas coisas que acontecem ao seu redor (sejam elas boas ou não). O obeso não discipula, não alimenta, não caminha. O obeso espiritual encontra um lugar confortável que não o desafie a grandes coisas e faz morada lá. Ele não exercita sua fé, muito menos busca caminhar com as pessoas. Sentado no sofá/casa pede para que os outros coloquem as coisas em suas mãos e, quando se depara com situações difíceis, insistentemente coloca a culpa na igreja, no líder, no vento.

Geralmente o cristianismo vivido por eles está baseado em buscar intimidade com Deus em descobrir a vontade do Pai para todas as áreas da sua vida. Quase nunca vai além disso. Não é a comunhão, não é o outro, não é o mundo. É ele, e somente ele (o que nos faz lembrar muito as crianças mimadas do começo desse texto)

O amadurecimento não é indolor.

Pessoas muito maduras, muito sábias e muito inteligentes não o são do nada. Em algum momento da vida, essas pessoas levantaram dos seus sofás e amaram pessoas que as machucaram. Em algum momento da vida, perderam coisas muito importantes e abriram mão de muitas outras. Talvez as mais sábias sejam aquelas que chegam muitas e muitas vezes ao pó.

Você pode chamar a essas pessoas de masoquistas, mas eu prefiro admirá-las.

Por qual motivo devemos tememos o sofrimento? Você já parou para analisar os bons frutos que ele produz? O próprio Jesus, na parábola da videira (João 15:1-5), nos diz que seríamos podados para darmos mais frutos ainda. Por que tanto medo da poda? Jesus me já me disse inúmeras vezes que sou corajosa, eu só demorei muito tempo pra entender o porquê.

Quando você experimenta o que é não ter nada além do amor incontrolável de Deus, toma consciência de que depende Dele. Toma consciência de que precisa levantar e ser a mudança que o seu mundo tanto necessita. Toma consciência de que se não tivesse se exposto a situações desafiadoras no passado, não estaria um terço à frente do que está hoje.

Afinal, o texto diz “aproximem-se de Deus e Ele se aproximará de vocês” (Tiago 4:8).

Se você parar aí, eu fico triste pelo que você poderia ter sido e não foi (e se eu fico assim, imagina seu Pai).

16 de dezembro de 2016 17 comentários
280 Facebook Twitter Google + Pinterest


Não adianta se esconder. Não adianta inventar desculpas.

Ele já sabe. Ele esteve lá, e ainda está.

Não sei se essa é uma notícia ruim pra você, ou coisa parecida, mas sinto que você precisa saber: Ele conhece cada parte do seu ser. Sabe maneiras de falar coisas que você precisa ouvir como ninguém. Sabe como são suas reações e foi o Único a secar as lágrimas do seu rosto como ninguém jamais fez. Quando você fecha a porta do seu quarto, seu Pai já está lá te esperando. Quando você diz que vai desistir, Ele grita.

Ele sabe que muitas vezes que você disse “Pai, obrigada por esse dia” e seu coração não estava, de fato, grato. Ele sabia que quando você falou que perdoou, seu coração não perdoou. Ele conhece você mais do que você mesmo e isso é assustadoramente lindo. Ele sabe que nem sempre você diz o que sente, porque seu Pai está em você. Não há o que esconder.

Intimidade assim só vem do céu.

Você pode chegar pros seus amigos e ser o melhor dos atores mostrando-se forte e invencível. Você pode fazê-lo, e mais: todos eles acreditarão. Todos tratarão você como se você realmente estivesse bem mas a verdade é que ninguém no mundo conhece de verdade (pelo ou menos não como Aquele que está em você).

Com seu Pai é diferente. Mesmo que você faça a expressão mais convincente e use as palavras mais persuasivas, não adianta de nada. Ele te conhece.

Leia essas palavras com seu coração:

“Senhor, tu me sondas e me conheces.
Sabes quando me sento e quando me levanto; de longe percebes os meus pensamentos.
Sabes muito bem quando trabalho e quando descanso; todos os meus caminhos te são bem conhecidos.
Antes mesmo que a palavra me chegue à língua, tu já a conheces inteiramente, Senhor.
Tu me cercas, por trás e pela frente, e pões a tua mão sobre mim.
Tal conhecimento é maravilhoso demais e está além do meu alcance, é tão elevado que não o posso atingir.
Para onde poderia eu escapar do teu Espírito? Para onde poderia fugir da tua presença?
Se eu subir aos céus, lá estás; se eu fizer a minha cama na sepultura, também lá estás.
Se eu subir com as asas da alvorada e morar na extremidade do mar,
mesmo ali a tua mão direita me guiará e me susterá.
Mesmo que eu dissesse que as trevas me encobrirão, e que a luz se tornará noite ao meu redor,
verei que nem as trevas são escuras para ti. A noite brilhará como o dia, pois para ti as trevas são luz.
Tu criaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe.
Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Tuas obras são maravilhosas! Disso tenho plena certeza.”
Salmos 139:1-14

Depois de um texto desses não há nada que eu possa dizer. Nada mais certo, mais íntimo.

Deus conhece cada parte do seu ser mais que você mesmo. É impossível negar, impossível fugir. Ele é em você e o mesmo espírito que perscruta o íntimo do Pai, perscruta o seu íntimo. Intimidade assim só vem do céu.

29 de setembro de 2016 5 comentários
47 Facebook Twitter Google + Pinterest